Buscar
  • Vitor Lippi - Comunicação

SENAI ajuda a nacionalizar produção de ventiladores pulmonares

Com projetos desenvolvidos em prazos recordes, indústrias conseguiram certificar novos modelos de respiradores para UTIs. Trabalho teve apoio dos Institutos SENAI de Inovação e da Associação Catarinense de Medicina


Desenvolvimento de respiradores pela empresa GreyLogix


Dois projetos desenvolvidos em tempo recorde, inferior a 120 dias, com apoio dos Institutos SENAI de Inovação de Joinville e Florianópolis viabilizaram a produção nacional de ventiladores mecânicos pulmonares. Na semana passada, as indústrias Delta Life, de São José dos Campos (SP), e GreyLogix, de Mafra (SC), obtiveram a certificação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a produção integralmente com tecnologia nacional de ventiladores, que são cruciais nos casos graves da Covid-19. A previsão é de que as duas empresas produzam de 700 a 1,1 mil equipamentos mensais (dependendo da demanda), que chegarão ao mercado em preços inferiores aos praticados atualmente para esses produtos.


Os dois projetos são exemplos emblemáticos de união de esforços de diferentes organizações. Com o surgimento da pandemia, a rede de Institutos SENAI de Inovação, que tem 27 unidades em todo o Brasil, identificou fatores nevrálgicos para o enfrentamento da doença, sendo um deles a falta desses equipamentos nas Unidades de Terapia Intensiva, cruciais nos casos graves da doença, e a indisponibilidade do produto no mercado. Nessa busca de soluções, os profissionais do SENAI procuraram a Delta Life, indústria de equipamentos de saúde focada na área veterinária. 


Os projetos foram financiados pelo Edital de Inovação para Indústria, iniciativa do Serviço Social da Indústria (SESI) e do SENAI com apoio da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). A categoria Missão contra a Covid-19 foi a primeira a ser lançada no Brasil a fomentar projetos destinados a prevenir, diagnosticar e tratar os efeitos do novo coronavírus.

“O SENAI conseguiu entregar, em prazo recorde, um equipamento completo de UTI a preço competitivo graças à agilidade operacional da rede nacional de Institutos de Inovação”, explica o diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi. “É uma demonstração da capacidade de resposta rápida e com alta qualidade dessa rede, que é hoje a maior infraestrutura de apoio à capacidade inovativa da indústria”, completa. 

 “É uma conquista tecnológica muito importante tanto para a indústria brasileira quanto para os Institutos SENAI, que demonstram sua capacidade de apoiar o setor produtivo no desenvolvimento de inovações e tecnologias complexas, fortalecendo a competitividade”, reforça o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), Mario Cezar de Aguiar.

Segundo o fundador e diretor da Delta Life, Vagner Aredes, o SENAI agregou competências à equipe da empresa, o que permitiu o desenvolvimento do novo produto de forma rápida. “O grande diferencial que o SENAI nos trouxe foi a capacidade de atuar no desenvolvimento de novas funcionalidades do produto, agregando competências de eletrônica, software e mecânica, além de criar uma grande rede de contatos”, explica Aredes. 


Graças a esses contatos, diversas etapas puderam ser superadas em poucas semanas. O resultado foi um equipamento robusto, de pequeno porte, que permite o seu uso em unidades de terapia intensiva, bem como para situações de emergência e transporte de pacientes adultos, intra ou extra hospitalares. 


Ao mesmo tempo, em Mafra, no planalto norte de Santa Catarina, a equipe da GreyLogix, empresa da área de automação industrial, percebeu a oportunidade de mercado, inclusive pela falta dos equipamentos nos hospitais da região. A empresa procurou o SENAI para ter apoio para a viabilização do projeto. Renato Leal, CEO da GreyLogix, cita que a instituição deu suporte no atendimento de pontos críticos no desenvolvimento do aparelho, como a agilização das etapas do processo de certificação na Anvisa e as melhorias no produto. 


Inovação em várias frentes


A agilidade do desenvolvimento da tecnologia foi possível graças à aplicação de inovações e à atuação em várias frentes de ação. Um exemplo é a válvula proporcional desenvolvida para a Delta Life. O componente é o “coração do ventilador pulmonar”, pois regula e delimita a quantidade da mistura gasosa a ser inalada pelo paciente nos modos de ventilação necessários.

“Criamos uma mola plana ou spider, semelhante a uma teia de aranha”, afirma Ariel Paulo Rezende, do Instituto SENAI de Inovação em Sistemas de Manufatura, de Joinville.

“Realizamos simulações em laboratório da Universidade Federal de Santa Catarina e os resultados foram de altíssima importância para entender o comportamento do fluido e modelar os canais e orifícios de passagem do ar”, acrescenta. 


No Instituto foram realizados ensaios de simulação de corpos rígidos para dimensionar a mola. Enquanto isso, em outra frente, o Instituto SENAI de Inovação em Sistemas Embarcados, de Florianópolis, atuava no desenvolvimento de toda a interface eletrônica de controle de válvulas e sensores. As articulações da FIESC e do SENAI agilizaram o empréstimo do Pulmoteste do Hospital Central do Exército no Rio de Janeiro para a certificação das práticas de fabricação pela Vigilância Sanitária e para os testes do ventilador.


Além da válvula proporcional e da interface eletrônica, foram desenvolvidos e nacionalizados ainda o sensor de fluxo, que monitora a quantidade de mistura gasosa inspirada e expirada pelo paciente, e a válvula PEEP, que controla a quantidade de mistura gasosa que fica remanescente nos pulmões do paciente, prevenindo lesões pulmonares.


Renato Leal explica que a GreyLogix optou pela criação de um modelo modular, utilizando componentes já existentes no mercado nacional, para acelerar o processo de fabricação. Isso permite agilidade na produção. Contando com os componentes em mãos, a empresa pode fabricar 30 equipamentos por dia. “Somos a primeira indústria brasileira que não tinha atuação na área médica a obter a homologação da vigilância sanitária. Criamos um produto totalmente do zero”, afirma Leal.


34 projetos destinados a combater coronavírus vão receber R$ 27,7 milhões

O Edital de Inovação para a Indústria selecionou 34 projetos destinados a prevenir, combater ou tratar os efeitos do novo coronavírus. Serão investidos R$ 27,7 milhões na categoria Missão contra a Covid-19. Desde que foi criado, em 2004, foram selecionados mais de mil projetos inovadores, nos quais foram investidos mais de R$ 680 milhões. As propostas selecionadas recebem recursos e apoio para desenvolvimento de uma prova de conceito, passando por processos de validação, de protótipo e de teste na rede de inovação e tecnologia do SENAI.


A rede de inovação e tecnologia do SENAI possui 87 institutos distribuídos pelas cinco regiões do país. Desde que os 27 Institutos SENAI de Inovação foram criados, em 2013, mais de R$ 1 bilhão foram aplicados em 1.086 projetos concluídos ou em execução. A estrutura conta com mais de 700 pesquisadores, sendo que cerca de 44% possuem mestrado ou doutorado. Atualmente, 15 centros são unidades Embrapii, e têm verba diferenciada para financiamento de projetos estratégicos de pesquisa e inovação. Já a estrutura de 60 Institutos SENAI de Tecnologia possui corpo técnico de cerca de 1.200 especialistas e consultores que prestam serviços buscando melhorar a qualidade de produtos e serviços, a produtividade e a competitividade dos negócios.



Fonte: Agência de Notícias Portal da Indústria.


0 visualização

© 2018 Deputado Federal Vitor Lippi.